Receba nossa newsletter

 Instagram feed

E-commerce ultrapassa barreira de dois dígitos no varejo nacional



Estadão


O comércio digital representou, em 2021, 11,3% de todas as vendas do comércio varejista restrito, que exclui veículos, peças e material de construção. No ano passado, o crescimento do e-commerce atingiu 18%, de acordo com o acompanhamento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), que congrega 9.500 empresas do setor. Os dados, antecipados para a Coluna, estão sendo compilados e serão divulgados ainda este mês.


O economista Fábio Bentes, da Confederação Nacional do Comércio, comenta que 2021 marcou, sim, o novo patamar de participação do comércio eletrônico no varejo restrito. Bentes, que faz um monitoramento reunindo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e da Receita Federal, destaca que já havia constatado a participação de 10,8%, mas ainda não com o ano fechado.


Pandemia


Foram saltos consideráveis em muito pouco tempo, seguindo a tendência natural pela digitalização, acelerada sobremaneira pela pandemia. Há menos de quatro anos, essa participação ficava em torno de 5%. Em 2019, subiu para 7,5%; em 2020, encostou nos 10% e, em 2021, ultrapassou a barreira. O crescimento vertiginoso é o pano de fundo de muitos negócios no setor varejista que têm sido anunciados nos últimos meses.


Reportagem recente do Estadão, com base em estudo da gestora Canuma Capital, mostrou que, com R$ 260 bilhões, as vendas digitais no ano passado pela primeira vez superaram as vendas em shopping centers. Para Bentes, a tendência é que em três anos, no máximo, o e-commerce se consolide como o segundo principal canal de vendas, atrás do comércio de rua e à frente dos shoppings.

  • LinkedIn
  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube