Receba nossa newsletter

 Instagram feed

Escritório ou chão de fábrica, covid esvazia locais de trabalho



Valor Econômico


Dos escritórios de luxo da capital paulista às linhas de montagem de motos no Polo Industrial de Manaus, o aumento dos casos de covid e influenza já afeta o desempenho de setores distintos e mostra como o risco de um apagão de mão de obra se tornou real e não respeita regiões. Se ainda é cedo para se pensar que o atual momento possa comprometer o desempenho econômico de 2022, já surgem, no entanto, alertas importantes. “Não temos neste momento problemas de abastecimento (de peças e insumos). Mas isso vai depender de quanto tempo vai durar e a gravidade dessa terceira onda de covid”, diz Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, entidade que representa os fabricantes de motos.

A consultoria imobiliária JLL diz que havia uma expectativa de maior ocupação dos escritórios para este começo de ano, o que ficou adiado devido ao aumento de casos de covid-19. A demanda por espaços, no entanto, não mudou. Já no setor elétrico, intensivo em mão de obra, a preocupação é garantir a operação e manter o fornecimento pelo país. Uma das maiores do setor com atuação na geração, transmissão e distribuição de energia, a portuguesa EDP montou um plano preventivo com três níveis de resposta. No pior cenário, a elétrica admite até a contratação temporária de colaboradores já aposentados.


Justamente as incertezas sobre o impacto da pandemia de covid-19 neste início de ano e sobre o processo eleitoral, no segundo semestre, não permitem aos fabricantes de motos no Brasil uma postura mais otimista em 2022. O setor trabalha com estimativa de crescimento de 7,9% na produção sobre 2021, chegando a 1,29 milhão de unidades montadas no polo de Manaus, onde estão instaladas as linhas de montagem. No ano passado foram produzidas 1,19 milhão de motos, expansão de 24,2%. Mas abaixo da estimativa de 1,22 milhão de unidades.

  • LinkedIn
  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube