Receba nossa newsletter

 Instagram feed

Lucro da LOG cresce




Valor Econômico A LOG Commercial Properties, que fabrica e loca galpões logísticos, reportou o melhor resultado trimestral de sua história, com lucro líquido de R$ 132,2 milhões, crescimento de 8% na comparação anual. Os cerca de 70 mil m2 entregues no período pela, nas regiões metropolitanas de Goiânia e Belém, foram 100% locados. Até o fim do ano, a LOG vai entregar 414 mil m2, e 85% disso já está pré-locado. A expectativa é terminar 2022 com um portfólio 35% maior, e aumentar a área entregue em 2023.


“O setor está em um momento maravilhoso e não acho que isso vai mudar nos próximos anos, porque o ecommerce está muito forte no Brasil e vai continuar crescendo”, afirma Sergio Fischer, presidente da companhia. A empresa já tem 90% dos terrenos necessários para atingir sua meta de entregar 1,5 milhão de m2 de galpões até 2024. A inadimplência na locação dos condomínios logísticos está em 0,4%, patamar inferior ao fim do ano passado (0,6%), e o índice de renovação contratual foi de 89%.


Previsão de recorde

Segundo Fischer, deverá haver recorde de entrega de área locável neste trimestre, com galpões em Recife e Fortaleza, também já totalmente locados. A estratégia da empresa é construir galpões modulares, que permitem a locação para clientes que precisam de áreas variadas, e fazer isso de forma descentralizada. A LOG opera em 39 cidades de 19 Estados. Até o fim do ano, também haverá entregas em São Paulo, na capital e no interior. “Tem cliente para todas as regiões, e muitas vezes o mesmo cliente”, diz o executivo.


A receita líquida da LOG no trimestre foi de R$ 40,8 milhões, 11% superior ao mesmo período de 2021. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) teve queda de 11% na comparação anual, de R$ 143,6 milhões para R$ 127,3 milhões, por redução na atividade de desenvolvimento - a parcela sobre locação ficou estável, em R$ 30 milhões. Apesar do cenário favorável, inflação e juros altos preocupam Fischer, porque afetam o balanço e a venda de ativos.

  • LinkedIn
  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram
  • YouTube